quinta-feira, junho 15, 2006

DIÁRIO DA COPA – Pt. 3

Vamos ver até onde esse post vai:

- Segunda-feira foi dia de estréia de duas grandes seleções, Itália e República Tcheca. O futebol italiano é aquela coisa, 1 a 0 é goleada, fazem um gol e se fecham, e poucos sabem segurar um resultado como eles. E foi assim com Gana. Terem achado um segundo gol foi acidente de percurso, hehehe. Já os tchecos fizeram uma das melhores apresentações do Mundial, comandados pelo craque Nedved, e venceram fácil os EUA, que dessa vez não devem passar da fase de grupos. Aliás, acho que em cerca de 15 anos os americanos estarão bem melhores, já que hoje em dia o futebol (ou soccer, como dizem) é praticado em toda escola por lá, e as próximas linhagens de jogadores terão uma boa base. Também neste dia os australianos bateram o Japão. Perdendo por um gol, em 10 minutos a Austrália fez três gols. Se tivessem perdido seria uma injustiça, pois foi mais time o tempo inteiro;

- Terça-feira foi finalmente o dia da estréia do Brasil, aquele time cheio de estrelas, sabe? Pois bem, “nossas” estrelas precisam ralar mais, e o placar foi injusto, deveria terminar ao menos empatado. No 1º tempo, apesar do gol, ninguém dominou ninguém, e no 2º, os croatas foram melhores em boa parte do período. E gostei da Croácia encarar o Brasil de igual para igual. Se outras equipes fizessem o mesmo, a fama da amarelinha seria outra. Como as “estrelas” devem pegar a Itália ou a República Tcheca nas oitavas, é melhor se preparar para o pior (ou o melhor, no meu caso). Quanto ao Ronaldo, recuso-me a falar dele. Outro favorito que decepcionou foi a França. E com um técnico que consulta a astrologia para escalar o time, não vejo muito futuro para eles. Olha só o absurdo: Pires, do Arsenal, não foi convocado por ser de escorpião! Cada um tem a Mãe Dinah que merece.

- Já quarta-feira foi à vez da fúria espanhola entrar em campo, fazendo, junto com os tchecos, a melhor apresentação do torneio, marcando quatro gols numa Croácia que tem Shevchenko e mais 10 (e ele também não ajudou). A Espanha tem um bom elenco, do goleiro aos atacantes, e pode ir longe. Para encerrar, abrindo a 2ª rodada, a Alemanha sofreu para bater a Polônia. O jogo foi meio chato até os 30 da fase complementar, quando um polonês foi expulso. Aí os alemães pressionaram, o goleiro adversário fez umas quatro defesas importantes, num lance a bola bateu o travessão duas vezes, e já nos descontos, finalmente veio o gol dos donos da casa. Foi mais raça, coração ou algo do tipo do que talento, mas já estão garantidos na próxima fase.

Um comentário:

Gerlande Diogo disse...

A Espanha me surpreendeu.