domingo, junho 11, 2006

DIÁRIO DA COPA – Pt. 1

Iniciando aqui uma série de posts sobre a Copa do Mundo. E apesar do título dizer o contrário, não terá um novo todo dia, mas sim uns quatro por semana, mostrando um pouco da minha visão deturpada do esporte das massas. Então mãos a obra:

- Dos três jogos e meio que vi até agora, nenhuma seleção se destacou muito. No jogo de estréia a Alemanha até pode ter sido considerado uma surpresa, pois foi debatido muito sobre as possibilidades de fracasso dos mesmos em casa, mas isso foi tudo um exagero, e os alemães nunca foram famosos por possuir um futebol arte mesmo. Então, conseguiram marcar 4 gols (três deles belíssimos), mas sua defesa fraca deixou passar dois gols nos únicos ataques mais agudos da Costa Rica. Se pegar um adversário mais forte é capaz de sofrer mais gols do que fazer;

- A minha Inglaterra ficou devendo. Fez um primeiro tempo correto, marcando um gol logo de cara, mas exagerou nas bolas lançadas na área. Para uma seleção que tem talentos como Gerrard, Lampard, Cole e Beckham no meio de campo, é pouco. Mas essa deve ser a tônica do time até a volta de Rooney, um atacante que gosta bastante de ir até o meio para buscar a bola e chegar até a área com ela dominada. No segundo tempo, os ingleses apenas administraram o placar, com apenas alguns chutes de meia distância de Lampard, defendidos pelo goleiro do Paraguai;

- A Argentina também só jogou para o gasto. Começou bem, marcando dois gols. Depois a Costa do Marfim conseguiu equilibrar um pouco. No segundo tempo o futebol de nossos hermanos simplesmente sumiu, e o técnico faz algumas mudanças estranhas, enfraquecendo seu ataque. O adversário ensaiou uma pressão, mas só conseguiu marcar um gol, feito por Drogba, do Chelsea;

- Ronaldo pode querer saber se o presidente bebe bastante ou não, mas eu quero saber como ele tem tanta cara-de-pau, agindo como se não houvesse nada de errado em seu governo. Bem, talvez esse cinismo seja efeito do álcool.

Um comentário:

Gerlande Diogo disse...

O jogo da Inglaterra eu achei um pé no saco. Quanto ao a Lula só pode ser cachaça mesmo.