sábado, dezembro 17, 2005

Umas coisinhas que queria dizer, mas que separadamente não rendem um post mais robusto:
1- Putz, a cara de pau das bandas do rock nacional dos anos 80 (aliás por que nenhuma delas nunca acaba?!) não tem limite. Eles fazem de tudo para permanecer na mídia. E agora não basta simplesmente viver às custas de sucessos do passado, tem que também mexer com os mortos. Como é que os caras do Barão Vermelho tiveram a coragem de ressuscitar o Cazuza num disco ao vivo? E a platéia ainda foi ao delírio ao ouvir a voz além-túmulo do cantor (isso se não foi trucagem de estúdio).
2- Mais uma vez não consegui comprar a Bizz, tive que ler emprestada. Mas não é disso que quero falar. Viram o Paranoid Android perguntando sobre a caixa de CD Roms na seção de cartas da edição de novembro (Strokes na capa)? Sim, sou eu mesmo! Foi uma surpresa até pra mim, pois tinha postado aquela mensagem no mural do site da revista, não esperava vê-la publicada.
3- O novo CD do Charlie Brown Jr (argh!) tem 74 minutos de duração? Essa deve ser a tortura mais longa de todos os tempos!

3 comentários:

Marlo disse...

Realmente, uma puta apelação do Barão. Ainda não ouvi, mas, precisar, não precisava. Quanto à Bizz, eu já tinha visto teu nome lá e não lembrei de comentar. Parabéns! Procure sua velha coleção e veja lá, edição de março de 2001 (Dinho na capa), uma carta creditada a um certo Marlo de Sousa (erroneamente dado como morador de SP). Quanto ao Super, eu li a 34 e depois, nada. Não tive chance de comprar. Mas tudo há de mudar, amigo. Um abraço.

Gerlande Diogo disse...

Também tive minha carta publicada na BIZZ 193, mas com meu nome escrito errado.

Anônimo disse...

cuidado com o que diz dessas bandas que estão aí e começaram nos anos 80,todas elas tem uma história importante,o barão fez uma bonita homenagem,e vc queria que eles tivessem fazendo o quê?que fossem veterinário,ginecologista...eduardo Cyrillo