domingo, outubro 29, 2006

JOHN CONSTANTINE HELLBLAZER – NAS RUAS DE LONDRES

Photobucket - Video and Image Hosting
Coletânea com one-shots publicadas originalmente no título mensal do bruxo inglês. A primeira delas, “Indo Com Tudo!”, da dupla Jamie Delano e John Ridgway, extraída de Hellblazer #03, de 1988, mostra uma espécie de Bolsa de Valores From Hell, e Constantine mostra bom faro para os negócios. Depois temos “Me Abrace” (Hellblazer #37, de 1990), escrita por nada mais, nada menos que Neil Gaiman, com a arte de Dave McKean. Na trama, o espírito de um sem-teto morto pelo frio busca um pouco de calor humano para deixar esse plano de existência. Sobra para nosso querido mago dar o abraço final no pobre fantasma. Seguimos com “Este é o Diário de Danny Drake” (Hellblazer #56, de 1992), da elogiada fase escrita por Garth Ennis, que aqui tem a companhia de David Lloyd, ilustrador de V de Vingança. O tal Danny do título está sob o domínio de um feitiço que não o deixa guardar seus segredos mais obscuros. E quem se mete no caso? Não preciso responder, né? Também do Ennis é a história “E a Multidão Vai à Loucura”, extraída de Hellblazer #77, de 1994, agora com a arte de Peter Snejbjerg, onde o companheiro para toda hora Chas conta aos seus amigos de copo(s) sobre a vez em que o Constantine “morreu”. Depois é a vez de “Fechado”, publicada em Hellblazer #140, de 1999, da curta passagem de Warren Ellis pelo título, com os desenhos de Frank Teran, mostrando um assassino psicopata que tortura suas vítimas num quarto onde os cadáveres acumulam. E quem acaba entrando no quarto? Ele mesmo, oras! Finalizando temos a curta “A Primeira Vez”, que saiu originalmente em Vertigo Secret Files: Hellblazer, no ano de 2000, com roteiro de Brian Azzarello e traços de Dave Taylor, mostrando como começou o vício em cigarros do Constantine (ele ainda era uma criança!). Edição caprichada da Devir, impressa na Espanha (chique!) num papel de altíssima qualidade. Vale quanto pesa.

Um comentário:

Gerlande Diogo disse...

Eu li em algum lugar que não valia a pena compra-la.