sexta-feira, junho 18, 2010

TITÃS - TITANOMAQUIA

(texto publicado originalmente na BIZZ # 97, agosto de 1993; autoria de André Barcinski)

Data: algum dia perdido em 92.
Local: casa de um dos Titãs. Os sete roqueiros se reúnem para traçar as metas de seu novo álbum.
Paulo: "Bom, galera. E aí? Nosso último disco foi massacrado."
Toni: "É mesmo. Temos que pensar em algo diferente... Vamos começar pelo nome. Alguém tem uma sugestão?"
Nando: "Que tal ´Pa-Ra-Le-Le-Pí-Pe-Do´?"
Marcelo: "Não, nada de poesia concreta. O Arnaldo saiu, se liga!"
Charles: "Que tal um disco grunge? Está bem na moda..."
Sérgio: "Será dá certo?"
Charles: "Porra, até o Capital Inicial está fazendo cover do Pearl Jam!"
Branco: "É mesmo! O Dinho rasgou todas as suas calças e tatuou ´Eu Sou Roqueiro´ na cabeça."
Charles: "A gente poderia chamar aquele cara do Nirvana para produzir, o Butch Vig..."
(segue-se um longo intervalo, durante o qual Charles liga para a gravadora).
Charles: "Rapeíze´, o Butch não dá, mas eles me garantem um tal de ´Jack Albino´.
Paulo: "´Albino´? Legal, talvez ele até curta o Hermeto Pascoal."
Nando: "Mas eu não entendo nada de grunge. Só ouço Tom Zé e Marisa Monte!"
Branco: "Não tem mistério. O negócio é o seguinte: a gente mete umas guitarrinhas distorcidas, fala uns palavrões no meio das músicas e põe no press release que nosso negócio agora é pauleira!"
Marcelo: "Será que vai colar?"
Sérgio: "É lógico. Brasileiro é tudo bundão! A molecada toda só está andando com esse visual grunge, eu vi no Programa Livre."
Toni: "A gente pode fazer umas fotos com visual punk!"
Marcelo: "Oba, vou estrear a minha camiseta do Tad."
Nando: "Você também fez este curso de datilografia?"
Branco: "Só tem um problema: e se esta onda grunge acabar? E se o samba entrar na moda?
Charles: "Bom, acho que talvez o Agepê toparia produzir nosso próximo disco."

2 comentários:

Caesius Maxi disse...

Curiosamente esse disco dos Titãs nunca mais apareceu nem em sebos para ser vendido...

Marlo (The Batman) disse...

Lembro que essa crítica fez os fãs espumarem de raiva da Bizz e melou a "lua-de-mel" que ela e a banda ensaiavam, após o famoso incidente das revistas rasgadas por causa da resenha do disco anterior.

O peso adicionado fez bem à banda em alguns momentos, como na irretocável "Disneylândia". Em outros, acho mesmo que forçaram a barra. Seja como for, Titãs é muito melhor fazendo rock rápido e sujo do que compondo aberturas de novela ou fazendo covers de Roberto Carlos.

Infelizmente, o Titãs acabou quando Marcelo Fromer morreu e esse quinteto que se arrasta por aí, com um baterista "bastardo", nada mais é do que um zumbi cinzento, uma pálida lembrança de tempos de glória.